Como Regular o Ciclo Menstrual Naturalmente

Saúde da mulher.

Soluções naturais para regular o ciclo menstrual naturalmente.


O ciclo menstrual é um dos principais indicadores de saúde das mulheres, visto que pode refletir o equilíbrio hormonal, sanguíneo e até nutricional do organismo. Nem todos os ciclos menstruais são iguais e hoje sabe-se que um ciclo menstrual saudável pode variar entre 21 e 35 dias, com 11 a 13 ciclos por ano (1). O ideal é que os ciclos menstruais sejam regulares, sem grandes variações de intervalos ou duração.

A oligomenorreia – ou menstruação irregular – é um problema relativamente comum. Geralmente refere menstruações com intervalos superiores a 35 dias, por vezes com menos de 6 períodos por ano. Um número de fatores pode estar na gênese desta irregularidade, entre anemias, problemas da tiroide, desequilíbrios hormonais ou até mesmo um índice de massa corporal baixo (2). Em geral, ciclos menstruais irregulares constituem uma condição passageira e não devem ser causa de preocupação, podendo ser, inicialmente, abordados com métodos naturais.

Se sofre desta condição, saiba que existem vários métodos naturais que, geralmente, são eficazes na regularização do período, com alguns estudos científicos a comprovarem a sua eficácia. Continue a ler para conhecer alguns dos métodos.

Alimentos & Nutrientes

Ferro & Vitamina C

Vários estudos demonstraram que quantidades reduzidas de ferro no sangue podem promover a ausência de menstruação (3). Alguns alimentos ricos em ferro são as lentilhas, o espinafre, as sementes de abóbora, as sementes de girassol e a quinoa, entre outros.
Por outro lado, a vitamina C é essencial na absorção adequada do ferro, além de aumentar a fertilidade. Os pimentos, as laranjas, os morangos e o quivi são ótimas fontes de vitamina C.

Canela

A canela tem inúmeros efeitos benéficos no organismo e no ciclo menstrual, promovendo um fluxo equilibrado e reduzindo as dores menstruais (4). Sabe-se também que a canela tem efeitos positivos na regulação da insulina que, indiretamente, regula a ovulação e o restante processo menstrual.

Gorduras Saudáveis

Uma quantidade adequada de gorduras saudáveis no sangue é essencial para o equilíbrio hormonal. Um estudo demonstrou que a suplementação de ómega-3 em mulheres pode reduzir os níveis excessivos de testosterona e regular o ciclo menstrual (5). Por isso, o consumo de nozes e frutos secos, alimentos à base de soja e sementes de abóbora é recomendado. Se necessário, poderá ser indicada uma suplementação.

Alimentos Emenagogos

A evidência empírica demonstra que alguns alimentos têm efeitos emenagogos, que estimulam e promovem a menstruação. Alguns dos alimentos com mais sucesso são a salsa, as sementes de feno-grego, a papaia e a camomila. Apesar de não existirem evidências científicas, várias mulheres afirmam que estes e outros alimentos recuperaram e regularam os seus ciclos menstruais. Visto que todos os alimentos emenagogos são muito benéficos para o organismo, o seu consumo é recomendado.

Exposição Solar e Vitamina D

Vários estudos têm procurado perceber o mecanismo exato pelo qual a vitamina D beneficia a menstruação. É bastante provável que a exposição solar regular tenha um papel importante na regulação hormonal, através da sua ação nos ritmos circadianos que, por sua vez, afetam o ciclo menstrual (6).

Exercício Físico

Por um lado, o excesso de exercício pode ser a principal causa da ausência de período. Um índice de massa corporal demasiado baixo pode ter o mesmo efeito. Se este é o seu caso, procure reduzir a intensidade ou frequência do exercício físico e aumentar o consumo calórico diário (7). Por outro lado, o sedentarismo deve ser evitado. O exercício físico moderado e regular tem imensos benefícios para a saúde, promovendo o equilíbrio hormonal.

Reduzir o Stress

O stress tem um efeito sobre o seu ciclo menstrual, podendo mesmo induzir a amenorreia (ausência total de menstruação) (8). É fundamental reduzir ou mesmo eliminar as fontes de stress físico (dormir pouco, fumar, alimentação pouco saudável, etc.), mental (sobrecarga laboral, por exemplo) ou emocional e procurar técnicas de relaxamento que funcionem para si.

Se atualmente sofre de oligomenorreia ou amenorreia, procure implementar alguns destes métodos no seu dia-a-dia, que só lhe trarão benefícios a todos os níveis. É importante descartar condições de saúde subjacentes e, por isso, consultar um médico é sempre a melhor opção inicial.

Referencias

(1) “Menstrual cycle: What’s normal, what’s not.” Mayo Clinic, Mayo Foundation for Medical Education and Research, 11 May 2016, www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/womens-health/in-depth/menstrual-cycle/art-20047186. Accessed 29 Sept. 2017.
(2) Heitz, David. “Oligomenorrhea.” Healthline, Healthline Media, 8 Aug. 2016, www.healthline.com/health/oligomenorrhea. Accessed 29 Sept. 2017.
(3) Gasche, C. “Iron, anaemia, and inflammatory bowel diseases.” Gut, vol. 53, no. 8, Jan. 2004, pp. 1190–1197., doi:10.1136/gut.2003.035758.
(4) “Effects of cinnamon supplementation on antioxidant status and serum lipids in women with polycystic ovary syndrome.” Journal of Traditional and Complementary Medicine, Elsevier, 19 May 2017, www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2225411017300482. Accessed 29 Sept. 2017.
(5) Wagley, Abdulkadir, and Paul Hardiman. “Menstrual Dysfunction and Endometrial Neoplasia in the Polycystic Ovary Syndrome and Other Androgen Excess Disorders.” Contemporary Endocrinology Androgen Excess Disorders in Women, pp. 303–318., doi:10.1007/978-1-59745-179-6_27.
(6) Saleem, Shemaila, et al. “Polycystic Ovarian Syndrome; Association Of Body Mass Index With Vitamin D Levels In Women.” The Professional Medical Journal, vol. 24, no. 06, Jan. 2017, pp. 834–838., doi:10.17957/tpmj/17.3888.
(7) “Patient education: Absent or irregular periods (Beyond the Basics).” Absent or irregular periods, www.uptodate.com/contents/absent-or-irregular-periods-beyond-the-basics. Accessed 29 Sept. 2017.
(8) Estep, Herschel L. “Neuroendocrine Aspects of Surgical Stress.” An Introduction to Clinical Neuroendocrinology, pp. 106–120., doi:10.1159/000390044.

Carla Sofia
Licenciada em Medicina do Desporto.

Este Artigo Informativo Não Substitui o Aconselhamento Médico. Consulte Sempre Ajuda Profissional de Saúde Nas Suas Decisões